Curiosity-driven.
513 stories
·
2 followers

SBPC convida todas as entidades científicas a participarem de audiência pública sobre a situação econômica da C&T e das universidades brasileiras

1 Comment

O debate promovido pela CCTCI da Câmara dos Deputados será realizado na próxima quarta-feira, 7 de novembro

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) convida todas as entidades científicas e acadêmicas do País  a participarem da audiência pública na próxima quarta-feira, 07 de novembro, que discutirá “A situação econômica da área de ciência e tecnologia e a crise das universidades brasileiras”. O debate será realizado pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) da Câmara dos Deputados, às 9h30, no Anexo II do Plenário 13, em Brasília.

Além da participação do presidente da SBPC, Ildeu de Castro Moreira, o debate contará com a presença dos presidentes da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Luiz Davidovich, da Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep), Marcos Cintra, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Mário Neto Borges, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Abilio Baeta Neves, da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Reinaldo Centoducatte, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade Lima, e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Sebastião Barbosa.

Jornal da Ciência

The post SBPC convida todas as entidades científicas a participarem de audiência pública sobre a situação econômica da C&T e das universidades brasileiras appeared first on Jornal da Ciência.

Read the whole story
iaravps
20 days ago
reply
#vemgente
Rio de Janeiro, Brasil
Share this story
Delete

how do I tell an interviewer about my hobbies when my hobbies are kind of boring?

1 Share

A reader writes:

I’m new to the job market (I went straight from college to law school and only just graduated this spring), and it’s going pretty well so far, but there’s one thing I’ve gotten conflicting information about/reactions to.

I don’t put hobbies on my resume, but they have come up in some of my interviews. I’ve been advised by career services and my parents to mention hobbies that speak to my career/personality in some way (for example, being an avid runner might indicate dedication despite hardship, or skydiving might show risk-taking).

My problem is, I’m a homebody, and my hobbies are honestly kind of boring. I knit, I bake, I read, I watch Netflix, I spend time with my significant other … and that’s about it. I do put effort into my crafty hobbies (I like teaching myself new knitting techniques or recipes), but they’re not particularly unique or interesting, nor am I an expert in them by any means. I’m afraid of giving the impression that I’m a grandma trapped in a 20-something’s body. Am I overthinking this and should just be honest about my hobbies when I’m asked about them? Should I try to put some sort of career-ish spin on them when asked?

The thing with hobbies, when they come up in interviews, is that they’re very unlikely to get you rejected (assuming they’re not, like, binge drinking or B&E’s). Occasionally they’re a plus, but more often then not, they’re a neutral.

The times when they’re a plus are when they spark rapport with your interviewer (“You forage for wild mushrooms? So do I!”), make you more interesting or memorable in some way (although I tend to think that’s overrated; if you’re a strong candidate, it’s better to be remembered for … being a strong candidate), or, as you said, reinforce something positive about you (dedication, resilience, interest in helping others, etc.).

It doesn’t make a lot of sense to try to figure out which hobbies might do one of those things, because it will vary from interviewer to interviewer. One interviewer might love seeing that you run marathons, while the next couldn’t care less but would be thrilled to hear you read a book a week.

So I would answer honestly if you’re asked about how you spend your time outside of work, and don’t worry about trying to find a way to put a career-ish spin on it.

That said, I think you can and should flesh out your answer beyond just something like “I like to read” — to give a little more information and give your interviewer something to react to. For example: “I’m a big reader. I’ve recently been on an Indian literature kick, and I’ve been reading Jhumpa Lahiri and Khushwant Singh.” Or, “I love baking, and I try to experiment with at least one new recipe a week. Some of them are disasters, but it’s a fun way to use a different part of my brain than I use at work.” Or whatever — the idea is just to show you can carry on a pleasant conversation.

In fact, much of the time, interviewers don’t really care what your hobbies are; they just want to see if you can make pleasant small talk about a topic that’s comfortable for you. So you’ll answer this better if you look at the question as an attempt to engage you in conversation and learn a bit more about who you are, rather than as an attempt to divine who you really are as a professional.

how do I tell an interviewer about my hobbies when my hobbies are kind of boring? was originally published by Alison Green on Ask a Manager.

Read the whole story
iaravps
36 days ago
reply
Rio de Janeiro, Brasil
Share this story
Delete

Signing DORA is a mandatory requirement for the journals indexed by Redalyc

1 Share

Latin America has created and maintains a non-commercial infrastructure where scientific publications belong to the academic community and not to large publishers, and where the nature of publication is conceived as the act of making research publicly available and not as part of a commercial industry.

Each academic institution is part of an informal cooperative that finances journals with help from its faculty and publishes them in Open Access (OA), which means that everybody benefits from each other’s investment. This modus operandi has been successful for Latin America—even before the Open Access initiative got its official name from Budapest.

Redalyc is part of the regional OA ecosystem in Latin America that provides—for free— lots of complementary capabilities to journals that, in other parts of the world, are services supplied by commercial publishers. In this sense, Redalyc has offered, since 2003, journal evaluation and editorial professionalization to improve quality in publications, as well as technology aimed to increase visibility, interoperability and discoverability. More recently, it has published journals on the Semantic Web with structured content and enriched file formats like XML, ePUB, HTML5, or PDF to improve the accessibility and readability of scientific material. Today, Redalyc’s collection consists of more than half a million full-text articles from 1,300 journals published by 622 publisher institutions from 22 countries with more than 1.5 million authors.

Within the past 15 years, we have witnessed a substantial decline in the academic and open nature of this environment, where new contracts between commercial publishers and institutions have shifted funds away from institutions and weakened internal editorial teams. Many scientific evaluation systems—at national and institutional levels—were also transformed. Instead of assessing publications and researchers with custom strategies, institutions and national evaluation systems began adopting the Impact Factor (IF) from Web of Science and Scientific Journal Rankings (SJR) from Scopus as the only valid metrics.

Research assessment policies like these are harmful to science locally and to Open Access initiatives. The decision to publish an OA journal relies on the editor and the benefits they receive. There is no incentive to be OA or to be indexed by OA platforms like Redalyc, as journals budgets are constrained by the participation in Web of Science or Scopus.

DORA recommends that publishers “Greatly reduce emphasis on the journal impact factor as a promotional tool, ideally by ceasing to promote the impact factor or by presenting the metric in the context of a variety of journal-based metrics.” At Redalyc, we share DORA’s vision. We believe that to accelerate meaningful change, journals and publishing platforms should lead by example.

Many journals play a significant role in regional academic communication in Latin America. The research they publish has profound societal impacts that improve the quality of life in the local community. We fear these journals are at risk of disappearing, because their sustainability increasingly relies on where they are ranked within Web of Science or Scopus.

For that reason, Redalyc made an important decision: to add one more mandatory element to our criteria for a journal’s evaluation that explicitly requires signing DORA.

For Redalyc, it is important to value a journal based on its content rather than basing its impact only on citations; it is crucial that research results are assessed by their own merits and not by where they are published. We highly value publications that address local challenges, particularly in the social sciences and humanities.

We recognize —as a society—that access to research is not enough, it is necessary to think about sustainability to guarantee that science continues to be open, is evaluated fairly, and remains in the hands of the research community.

As a result of this strategy, we have received a great response! In a few days, more than 200 journal editors from Spain, Brazil, Mexico, Colombia, Argentina, and more have signed DORA, and we received a positive reaction from the community. We thank all journal editors for being a key part of this process. We are confident that together we will continue strengthening Open Access and scholarly journals integrated to global science but in a non-subordinate way.

For more information about #RedalycSuppportsDORA please read the press release here.

Arianna Becerril-Garcia, PhD, is the Executive Director of Redalyc and a Professor at the Autonomous University of the State of Mexico.

Guest blog posts reflect the opinions of the authors and not necessarily those of DORA.

Read the whole story
iaravps
42 days ago
reply
Rio de Janeiro, Brasil
Share this story
Delete

MCTIC cria Comitê de Popularização da Ciência e Tecnologia

1 Share

A SBPC é uma das seis entidades científicas do País que terá um representante no Comitê. A medida foi publicada nessa quinta-feira, 4 de outubro, no Diário Oficial da União

O ministro Gilberto Kassab assinou nessa terça-feira, 2 de outubro,  a portaria No. 5.107, que cria o Comitê de Popularização da Ciência e Tecnologia (CPCT), cuja atribuição é “assessorar o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) na formulação de políticas e na avaliação de projetos e programas relativos à Política Nacional de Popularização da Ciência e Tecnologia”.  A medida foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 4 de outubro.

Presidido pelo ministro do MCTIC, o Comitê será coordenado pelo secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério (Seped), ao qual é vinculado, e terá, em sua composição, representantes de entidades e ligadas à ciência e à educação cientifica do País: Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC); Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciência (ABCMC); Fórum dos Coordenadores de Feiras e Mostras de Ciências; Fórum Nacional de Olimpíadas Científicas; além de um representante de notório conhecimento e reconhecida atuação da área de Eventos de Popularização da Ciência.

“Para a SBPC, é uma iniciativa importante a criação de um comitê para colaborar com o MCTIC na formulação e coordenação de planos e ações para a popularização da ciência no Brasil. Isso pode ajudar na definição de políticas mais gerais para esta área, no acompanhamento dos planos e programas de ação e na mobilização dos setores ligados à CT&I e educação para as atividades de popularização. Ações como a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, as feiras e olimpíadas de ciência, a criação e manutenção de centros e museus de ciência, os editais para divulgação científica, bem como a presença da ciência e tecnologia nas redes sociais – todos eles instrumentos importantes dessa política – poderão ser discutidos e planejados de forma mais integrada”, comenta o presidente da SBPC, Ildeu de Castro Moreira.

Além de discutir ações e estratégias para a Política Nacional de Popularização da Ciência e Tecnologia, o CPCT deverá também propor normas e diretrizes de atuação do MCTIC;  assessorar a SEPED;  identificar necessidades da área e colaborar na elaboração de documentos de técnicos e de referência e planos plurianuais de ações; acompanhar as atividades de interesse para a Popularização da Ciência e Tecnologia em foros deliberativos e instâncias administrativas, nacionais e internacionais; mobilizar setores do governo e da sociedade civil para consecução das ações de interesse da área; atuar junto ao Governo Federal para captação de recursos e fortalecimento da área em âmbito nacional; acompanhar, avaliar e garantir a execução dos compromissos firmados e das metas propostas em nível nacional; e avaliar, a cada 02 (dois) anos, os resultados das políticas de Popularização da Ciência e Tecnologia.

Segundo o presidente da SBPC, é importante também que o CPCT interaja fortemente com outros setores, como o Ministério da Educação, as FAPs (Fundações de Amparo à Pesquisa), as entidades cientificas, as universidades, as instituições de pesquisa, as escolas, os meios de comunicação, etc., pois são eles que executam e promovem a maioria das ações de popularização da ciência.

“A SBPC tem representação nesse comitê e certamente terá uma participação intensa nas discussões e proposições de políticas, planos e programas para aprimorar a divulgação e a popularização da ciência no País”, afirma Moreira.

Daniela Klebis – Jornal da Ciência

The post MCTIC cria Comitê de Popularização da Ciência e Tecnologia appeared first on Jornal da Ciência.

Read the whole story
iaravps
46 days ago
reply
Rio de Janeiro, Brasil
Share this story
Delete

‘Parar desmatamento é tão urgente quanto cessar uso de combustíveis fósseis’

1 Share
Antecipando-se ao relatório do IPCC, 40 cientistas alertam para risco de governos negligenciarem combate à mudança do clima MAURÍCIO TUFFANI, Editor – No próximo dia 8, segunda-feira, o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas das Nações Unidas (IPCC), deverá lançar seu relatório especial mostrando a situação de urgência em que se encontra o mundo para conseguir...
Read the whole story
iaravps
47 days ago
reply
Rio de Janeiro, Brasil
Share this story
Delete

As propostas dos candidatos ao governo do Rio de Janeiro para CT&I

1 Share

Representantes da SBPC analisam os programas oficialmente registrados no TSE pelos 12 candidatos que disputam o governo do estado do Rio de Janeiro nas eleições de 2018 para ciência, tecnologia e inovação

Propostas e Intenções sobre Ciência, Tecnologia, Inovação, Universidade e Pesquisa nos Programas de Candidatos a Governador do Rio de Janeiro

Introdução

O estado do Rio de Janeiro enfrenta importantes desafios econômicos, sociais e políticos, entre os quais a necessidade de manter e aprimorar suas tradicionais instituições de ensino e pesquisa, bem como dinamizar cadeias produtivas intensivas em ciência, tecnologia e educação, enfrentar desafios de diversificação de sua estrutura de desenvolvimento e atender requerimentos de sustentabilidade ambiental.

Temas relativos à CT&I, especialmente universidades estaduais e Faperj, estiveram presentes na agenda de entidades de representação de docentes, estudantes, SBPC e Academia Brasileira de Ciências.   A reincidência de cortes nos orçamentos da União para a área, conjugada com o descumprimento de obrigações do Estado desde o pagamento de pessoal das universidades, até atrasos prolongados para o recebimento de bolsas de estudo intensificou a participação de movimentos da sociedade civil nos processos de formulação e implementação de políticas relativas à CT&I e educação.

A ampliação da interlocução da SBPC com integrantes do Poder Legislativo e Executivo tem se concentrado em torno dos orçamentos e do fortalecimento das instituições da área no âmbito nacional e estadual.   Propostas e expectativas da comunidade científica foram condensadas em torno da recomposição do financiamento e reorganização do MCTI.  Tais iniciativas têm sido apresentadas e incorporadas parcialmente ou rejeitadas pelas instituições que integram o sistema político.

Considerando que as eleições majoritárias e proporcionais reúnem intenções e proposições de distintos partidos e coalizões políticas, é necessário realizar uma síntese dos programas eleitorais sobre o tema, para buscar identificar aproximações e afastamentos das plataformas de candidatos à agenda para o fortalecimento da pesquisa.

À SBPC/Rio de Janeiro competiu a tarefa de sintetizar os programas de proponentes ao cargo de Governador.  Espera-se com este esforço contribuir para que a interlocução sobre CT&I e educação da comunidade científica com postulantes ao governo torne-se mais extensa e aprofundada.

Nota Metodológica

Para acessar os programas/plataformas eleitorais foi utilizado o DivulgaCandContas do TSE, que é o sistema online de Divulgação de Candidaturas e de Prestação de Contas Eleitorais, responsável pela divulgação das candidaturas e das prestações de contas dos candidatos e dos partidos políticos em todo o Brasil. O sistema é acessível pela internet, sem a necessidade de cadastro prévio ou autenticação de usuário.  As informações compiladas foram extraídas de documentos o Sistema de Registro de Candidatura.

Foram considerados os programas oficialmente registrados no TSE pelos 12 candidatos que disputam o governo do estado do Rio de Janeiro nas eleições de 2018 (sendo que um não registrou o seu programa).

A menção as expressões e aos termos ciência e tecnologia e inovação, universidade e pesquisa foi localizada no conjunto de cada documento e não só nos capítulos ou itens específicos sobre o tema.

Análises sobre os programas e plataformas eleitorais têm limitações. Para começar, não é claro o que esses documentos realmente significam, pois podem ser meras declarações abstratas das identidades e ideologias partidárias, publicidade pura e simples ou até mesmo “contratos” sinceros entre partidos, candidatos e eleitores.

Candidatos, Partidos e Inclusão do Tema nas Plataformas Eleitorais

Os programas dos 11 candidatos variam em tamanho, conteúdo e formas de inserção da temática CT&I, pesquisa, universidade, educação superior. Os programas eleitorais para o governo do Rio de Janeiro voltam-se prioritariamente para a análise e apresentação de alternativas para a crise e recuperação fiscal do Estado, sendo que CT&I não está entre o tema mais relevante da agenda das eleições de 2018.  O segundo foco de políticas públicas dos programas é a segurança.

Mesmo assim, observa-se que a temática adquiriu status de política pública permanente. Todas as candidaturas mencionam intenções e propostas sobre os temas e seis (a maioria dos programas registrados) dedicam um capítulo, contêm um item específico ou subitem da educação a CT&I (Quadro 1).

CT&I e Pesquisa: Intenções e Proposições

As proposições dos candidatos podem ser agrupadas em quatro categorias: acepção sobre conhecimento e inovação para o Rio de Janeiro; desenho institucional das instâncias de CT&I; vocação e financiamento de universidades e institutos de educação superior; papel da FAPERJ.

Conhecimento e inovação

Em um número considerável de programas, as noções sobre a importância do conhecimento e inovação para o Rio de Janeiro são superlativas. Para Romário “o estado do Rio de Janeiro deve liderar a revolução científica no Brasil”.  Índio considera que “o Rio de Janeiro reúne condições para se consolidar como o principal centro de conhecimento do País, porque possui respeitadas Universidades e Instituições de ensino e pesquisa, públicas e privadas”. Andre Monteiro propõe “fazer do estado do Rio de Janeiro um estado inovador”.

O programa de Pedro Fernandes parece pressupor que será necessário realizar esforços para atingir um patamar de inserção do Estado na fronteira de CT&I ao sugerir “implantar no Estado uma economia do conhecimento”.

No programa de Marcelo Trindade, as relações entre conhecimento e desenvolvimento econômico têm uma direção causal explícita: “as universidades devem participar do esforço de recuperação econômica do estado do Rio de Janeiro”.

Institucionalização das Políticas de CT&I

Os programas que contêm proposições sobre planejamento, alterações e articulação das instituições envolvidas com CT&I.  Garotinho propõe a elaboração de um Plano Estadual de Metas para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico, com abrangência de 2018 a 2023. O programa de Marcia Tiburi registra o compromisso com um sistema de CT&I e projetos de desenvolvimento regional e integração do conjunto de instituições de ensino, pesquisa e fomento, sob a liderança de instituições estaduais.

Dois programas (Garotinho e Tarcisio) sugerem a reorganização e fortalecimento do Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia.  Garotinho propõe o fortalecimento da Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia, FAPERJ, FAETEC, CECIERJ e CEDERJ.

A proposta de Eduardo Paes para a organização da política de CT&I, “fortalecer o ecossistema de inovação por meio de parcerias com iniciativa privada, universidades, aceleradoras, incubadoras e parques tecnológicos”, não define hierarquias entre instituições públicas e privadas.

Romário sugere a elaboração de uma Lei Estadual de Inovação.

Universidades

Proposições sobre a infraestrutura e o fortalecimento das universidades estaduais constam dos programas de Eduardo Paes, Romário e Pedro Fernandes (resgate e valorização das universidades), Garotinho (implantação do campus da UEZO) e Marcia Tiburi (plano emergencial de recuperação da UERJ, da UEZO e da UENF).  Andre Monteiro sugere “valorizar o ensino superior”.

Em relação ao financiamento das universidades, Pedro Fernandes se compromete com a “garantia do repasse do duodécimo das universidades estaduais”; Garotinho com “a regularização do repasse de suas verbas para custeio e investimento” e Tarcisio com a garantia da autonomia e aporte de 6% da receita do governo estadual para as universidades.

Nos programas de Indio, Trindade e Romário, Eduardo Paes e Wilson constam propostas para que as universidades busquem financiamento junto aos agentes do setor privado. Segundo Indio, as universidades “deverão transformar o conteúdo desenvolvido em atrativo para investidores”.  Trindade sugere a “atuação das universidades por meio de parcerias com a iniciativa privada para viabilizar o financiamento de parte de suas pesquisas”.  Romário propõe ampliar as fontes alternativas de recursos e a integração Empresas-Universidades. Eduardo Paes pretende “ampliar as receitas através da oferta de cursos de pós-graduação lato sensu e realização de projetos de extensão junto aos setores público e privado, para reinvestimento nas universidades.” Em sentido oposto, Dayse se declara “contra a privatização de instituições estaduais de ensino superior”.

Há divergências entre dois programas sobre acesso e vagas às universidades. Pedro Fernandes sugere a ampliação de cursos de graduação e vagas para o ensino superior e Trindade, a cobrança de mensalidades nas universidades estaduais para os “que podem pagar”.

No que se refere ao corpo docente e técnico-administrativo das universidades, Garotinho, Pedro Fernandes, Eduardo Paes e Tarcisio prometem “promover a justiça salarial para os docentes e funcionários”; “valorização profissional e progressão na carreira”; “valorizar o corpo docente” e “plano de carreira para as três universidades estaduais e Institutos Superiores de Educação”, respectivamente.  Dayse se compromete com 30 horas de trabalho para os funcionários.

Gestão e definição de atribuições das universidades foram mencionadas no programa de Eduardo Paes, no qual consta “ampliar a eficiência na gestão das universidades estaduais” e no de Tarcisio, que intenciona “estabelecer convênios com as universidades públicas e institutos de pesquisa para garantir um programa para a qualificação dos servidores públicos do Governo do Estado e da Alerj e a produção de conhecimento para a formulação e avaliação de políticas públicas”.

Faperj

Diversos candidatos afirmam compromissos com financiamento da Faperj e programas de pesquisas.   Garotinho se compromete com o repasse 2% da receita bruta do ICMS para à Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro e o aumento dos valores das bolsas de estudo em Ciência e Tecnologia. Eduardo Paes e Pedro Fernandes propõem “restabelecer os programas e projetos de fomento da FAPERJ, garantir investimento em ciência, tecnologia e inovação” e “financiar e fomentar fundações, institutos de pesquisa e instituições de ensino técnico e superior”.

Três programas mencionam a necessidade de estabelecer vínculos entre a Faperj e as políticas públicas estaduais.  Trindade sugere estabelecer “uma linha de pesquisa da FAPERJ dedicada exclusivamente a acompanhar, medir e sugerir aprimoramentos para a capacitação de professores da rede estadual.” Pedro Fernandes pretende “criar, por meio da Faperj, um programa de Estudos e Pesquisas Educacionais com o apoio das universidades públicas e privadas para a melhoria do acesso e qualidade da educação pública.” Tarcisio tem a intenção de democratizar os fundos para a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), para promover fomento a bolsas acadêmicas para estudantes e pesquisadores com projetos de pesquisa aplicados em temas de interesse público.

Outras Sugestões para a CT&I no Rio de Janeiro

Promover a universalização da internet e da telefonia móvel no prazo de quatro anos; implementar o Projeto Rio 100% Digital; tramitar em caráter de urgência a Lei de Fomento às Empresas de Software; fomentar o desenvolvimento e a atração de empresas de base tecnológica/startups; oferecer ensino técnico e tecnológico voltado para o futuro, tais como: designer digital, entre outros; promover o aumento científico e tecnológico do Rio de Janeiro (mediante concentração de cientistas envolvidos com ciências da vida); utilizar 1% do faturamento de petroleiras investidos em inovação em instituições de pesquisa e empresas e resgatar a Faetec e do Cecierj.

Propostas

ANDRÉ MONTEIRO

Fazer do estado do Rio de Janeiro um estado inovador, trazendo inovações e tecnologia; Valorizar o ensino superior com investimentos voltados ao fomento do ensino, da pesquisa, da extensão educacional; Ampliação dos centros de pesquisas, buscando conhecimento e intercambio com pesquisadores de fora, para que possamos absorver e manter o conhecimento aqui; Valorização dos nossos pesquisadores com incentivos próprios.

ANTHONY GAROTINHO

Aprimorar o sistema de estimulo a inovação e ao desenvolvimento tecnológico, apoiando especialmente os estudantes em seus projetos;

Elaborar um Plano Estadual de Metas para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico, com abrangência de 2018 a 2023 e protagonismo das instituições de pesquisa, da universidade e do mundo empresarial; recriação do Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia; Reorganização e fortalecimento da Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia, da Faperj, da Faetec, do Cecierj, do Cederj; Compromisso de repassar 2% da Receita Bruta do ICMS para à Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro – Faperj; Aumentar os valores das bolsas de estudo em Ciência e Tecnologia; Promover a universalização da internet e da telefonia móvel no prazo de quatro anos; implantar o campus da Universidade Estadual da Zone Oeste – Uezo; Promover a justiça salarial para os docentes e funcionários das universidades estaduais: Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), Uenf (Universidade Estadual do Norte Fluminense) e Uezo (Universidade Estadual da Zona Oeste), assim como a regularização do repasse de suas verbas para custeio e investimento; Projeto Rio 100% Digital, visa dar cobertura de acesso a banda larga em todos os municípios e locais do estado; fazer tramitar em caráter de urgência a Lei de Fomento às Empresas de Software; oferecer ensino técnico e tecnológico voltado para o futuro, tais como: designer digital, entre outros.

DAYSE OLIVEIRA

Contra a privatização das instituições estaduais de ensino superior como a Uerj, Uenf e Uezo e de cortes no orçamento que vem ocorrendo nos últimos anos. Educação pública gratuita, de qualidade, laica e a serviço dos trabalhadores; 30 horas de trabalho semanais para os funcionários.

EDUARDO PAES

Recuperar e resgatar as universidades estaduais (Uerj, Uezo, Uenf); coordenar os programas de recuperação das universidades com ampla participação e interlocução com a comunidade universitária; Valorizar o corpo docente das universidades estaduais, criar mecanismos e instrumentos que garantam que os docentes possam desenvolver de forma digna as atividades de ensino, pesquisa e extensão; Ampliar a eficiência na gestão das universidades estaduais; Ampliar as receitas através da oferta de cursos de pós-graduação lato sensu e realização de projetos de extensão junto aos setores público e privado, para reinvestimento nas universidades; Reestabelecer os programas e projetos de fomento da Faperj, garantia de investimento em ciência, tecnologia e inovação com compromisso na produção de pesquisa acadêmica voltada aos setores produtivos e ao desenvolvimento de patentes; Fortalecer o ecossistema de inovação por meio de parcerias com iniciativa privada, universidades, aceleradoras, incubadoras e parques tecnológicos.

INDIO

A Uerj, Uezo e Uenf, reverterão a sua produção e alunos para a pesquisa e o desenvolvimento de políticas públicas a favor do Estado; deverão transformar o conteúdo desenvolvido em atrativo para investidores; o Rio de Janeiro reúne condições para se consolidar como o principal centro de conhecimento do país, porque possui respeitadas Universidades e Instituições de ensino e pesquisa, públicas e privadas.

LUIS HONORATO

O candidato não registrou programa.

MARCELO TRINDADE

Universidades devem participar do esforço de recuperação econômica do estado do Rio de Janeiro, as universidades estaduais devem apoiar, com pesquisa e inovação, a atividade privada, e serem pelo setor privado apoiadas; Atuação das universidades por meio de parcerias com a iniciativa privada para viabilizar o financiamento de parte de suas pesquisas; Melhoria da gestão das universidades estaduais; cobrança de mensalidades dos alunos que possam pagar; É necessária uma linha de pesquisa da Faperj dedicada exclusivamente a acompanhar, medir e sugerir aprimoramentos para capacitação de professores da rede estadual; Foco no aumento cientifico e tecnológico do Rio de Janeiro (concentração de cientistas envolvidos com ciências da vida); Utilizar 1% do faturamento de petroleiras investidos em inovação em instituições de pesquisa e empresas inovadoras.

MARCIA TIBURI

Ciência, tecnologia e inovação, articuladas à busca de soluções para os desafios sociais, urbanos, regionais e ambientais; sistema de CT&I e projetos de desenvolvimento regional; integrar e potencializar o conjunto de instituições de ensino, pesquisa e fomento sob a liderança de instituições estaduais; plano emergencial de recuperação da Uerj, da Uezo e da Uenf; Resgate da Faetec e do Cecierj.

PEDRO FERNANDES

Valorizar universidades públicas, com investimentos, estudos, pesquisas e tecnologias que possam orientar políticas públicas; Garantir o repasse do duodécimo das universidades estaduais; Valorização profissional e progressão de carreira; Criação e ampliação de cursos de graduação (aumento da oferta de vagas); implantar no Estado uma economia do conhecimento; Financiar e fomentar fundações, institutos de pesquisa e instituições de ensino técnico e superior; Criar, por meio da Faperj programa de Estudos e Pesquisas Educacionais com o apoio das universidades públicas e privadas para a melhoria do acesso e qualidade da educação pública.

ROMARIO FARIA

Lei estadual de Inovação; Estado do Rio de Janeiro deve liderar a revolução científica no Brasil; recuperar a Uerj, a Uenf, a Uezo e a Faperj, ampliando as fontes alternativas de recursos e oferecendo maior previsibilidade no custeio e financiamento de bolsas de estudo; Integração Empresas Universidades; Aproximação entre universidades públicas e empresas privadas para adensamento tecnológico do parque produtivo; Fomentar o desenvolvimento e a atração de empresas de base tecnológica/startups.

TARCISIO MOTTA

Democratização dos fundos para o Fundo de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), para promover fomento a bolsas acadêmicas para estudantes e pesquisadores com projetos de pesquisa aplicados em temas de interesse público; Fortalecer o Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia; Apoiar projetos de pesquisa e extensão voltados para o aperfeiçoamento de políticas públicas estaduais e problemas de alta complexidade técnica e social; Estabelecer convênios com as universidades públicas e institutos de pesquisa para garantir um programa para a qualificação dos servidores públicos do Governo do Estado e da Alerj e produção de conhecimento para a formulação e avaliação de políticas públicas; Garantir autonomia financeira para as universidades estaduais, ampliação dos recursos públicos reservados ao ensino, à pesquisa e a programas de extensão; 6% da receita do Governo do Estado para as universidades estaduais; Plano de carreira para as três universidades estaduais e Institutos Superiores de Educação.

WILSON WITZEL

Estabelecer a cooperação entre Universidades Estaduais e iniciativa privada, visando o desenvolvimento de inovação, ciência e tecnologia no Estado; Reestruturar a gestão da Faperj e concessão de bolsas, de modo a atrair pesquisadores e projetos de excelência e de interesse do Estado.

 

Considerações Finais:

A SBPC regional fez este documento com o objetivo de sistematizar todas as propostas para que a comunidade científica, acadêmica e toda a sociedade possam conhecer melhor os compromissos dos candidatos com a ciência, tecnologia e educação e que isso contribua na escolha dos seus representantes. A SBPC irá acompanhar os desdobramentos dos compromissos explicitados nos seus programas de governo.

Ana Teresa Ribeiro de Vasconcelos, conselheira da SBPC

Ligia Bahia, secretária regional adjunta da SBPC no Rio de Janeiro

The post As propostas dos candidatos ao governo do Rio de Janeiro para CT&I appeared first on Jornal da Ciência.

Read the whole story
iaravps
50 days ago
reply
Rio de Janeiro, Brasil
Share this story
Delete
Next Page of Stories